quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Visita de João Cosmo à Brasília

E anoiteceu...




Praça da Bandeira


Palácio do Planalto


Presépio e Àrvore de Natal na Esplanada dos Ministétios em Brasília

Presépio na Esplanada dos Ministétios em Brasília






Procuradoria Geral da República
( Atrás das Palmeiras).





Congresso Nacional ao anoitecer...











Foto: Conceição Pinheiro










Congresso Nacional - Brasília

domingo, 28 de dezembro de 2008

COMBATER A POBREZA, CONSTRUIR A PAZ - MENSAGEM DE SUA SANTIDADE

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE
BENTO XVI


PARA A CELEBRAÇÃO DO DIA MUNDIAL DA PAZ
1º DE JANEIRO DE 2009
COMBATER A POBREZA, CONSTRUIR A PAZ


1. Desejo, também no início deste novo ano, fazer chegar os meus votos de paz a todos e, com esta minha Mensagem, convidá-los a reflectir sobre o tema: Combater a pobreza, construir a paz. Já o meu venerado antecessor João Paulo II, na Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 1993, sublinhara as repercussões negativas que acaba por ter sobre a paz a situação de pobreza em que versam populações inteiras. De facto, a pobreza encontra-se frequentemente entre os factores que favorecem ou agravam os conflitos, mesmo os conflitos armados. Estes últimos, por sua vez, alimentam trágicas situações de pobreza. « Vai-se afirmando (...), com uma gravidade sempre maior – escrevia João Paulo II –, outra séria ameaça à paz: muitas pessoas, mais ainda, populações inteiras vivem hoje em condições de extrema pobreza. A disparidade entre ricos e pobres tornou-se mais evidente, mesmo nas nações economicamente mais desenvolvidas. Trata-se de um problema que se impõe à consciência da humanidade, visto que as condições em que se encontra um grande número de pessoas são tais que ofendem a sua dignidade natural e, consequentemente, comprometem o autêntico e harmónico progresso da comunidade mundial ».(1)
2. Neste contexto, combater a pobreza implica uma análise atenta do fenómeno complexo que é a globalização. Tal análise é já importante do ponto de vista metodológico, porque convida a pôr em prática o fruto das pesquisas realizadas pelos economistas e sociólogos sobre tantos aspectos da pobreza. Mas a evocação da globalização deveria revestir também um significado espiritual e moral, solicitando a olhar os pobres bem cientes da perspectiva que todos somos participantes de um único projecto divino: chamados a constituir uma única família, na qual todos – indivíduos, povos e nações – regulem o seu comportamento segundo os princípios de fraternidade e responsabilidade.
Em tal perspectiva, é preciso ter uma visão ampla e articulada da pobreza. Se esta fosse apenas material, para iluminar as suas principais características, seriam suficientes as ciências sociais que nos ajudam a medir os fenómenos baseados sobretudo em dados de tipo quantitativo. Sabemos porém que existem pobrezas imateriais, isto é, que não são consequência directa e automática de carências materiais. Por exemplo, nas sociedades ricas e avançadas, existem fenómenos de marginalização, pobreza relacional, moral e espiritual: trata-se de pessoas desorientadas interiormente, que, apesar do bem-estar económico, vivem diversas formas de transtorno. Penso, por um lado, no chamado « subdesenvolvimento moral » (2) e, por outro, nas consequências negativas do « superdesenvolvimento ».(3) Não esqueço também que muitas vezes, nas sociedades chamadas « pobres », o crescimento económico é entravado porimpedimentos culturais, que não permitem uma conveniente utilização dos recursos. Seja como for, não restam dúvidas de que toda a forma de pobreza imposta tem, na sua raiz, a falta de respeito pela dignidade transcendente da pessoa humana. Quando o homem não é visto na integridade da sua vocação e não se respeitam as exigências duma verdadeira « ecologia humana »,(4) desencadeiam-se também as dinâmicas perversas da pobreza, como é evidente em alguns âmbitos sobre os quais passo a deter brevemente a minha atenção.
Pobreza e implicações morais
3. A pobreza aparece muitas vezes associada, como se fosse sua causa, com o desenvolvimento demográfico. Em consequência disso, realizam-se campanhas de redução da natalidade, promovidas a nível internacional, até com métodos que não respeitam a dignidade da mulher nem o direito dos esposos a decidirem responsavelmente o número dos filhos (5) e que muitas vezes – facto ainda mais grave – não respeitam sequer o direito à vida. O extermínio de milhões de nascituros, em nome da luta à pobreza, constitui na realidade a eliminação dos mais pobres dentre os seres humanos. Contra tal presunção, fala o dado seguinte: enquanto, em 1981, cerca de 40% da população mundial vivia abaixo da linha de pobreza absoluta, hoje tal percentagem aparece substancialmente reduzida a metade, tendo saído da pobreza populações caracterizadas precisamente por um incremento demográfico notável. O dado agora assinalado põe em evidência que existiriam os recursos para se resolver o problema da pobreza, mesmo no caso de um crescimento da população. E não se há-de esquecer que, desde o fim da segunda guerra mundial até hoje, a população da terra cresceu quatro mil milhões e tal fenómeno diz respeito, em larga medida, a países que surgiram recentemente na cena internacional como novas potências económicas e conheceram um rápido desenvolvimento graças precisamente ao elevado número dos seus habitantes. Além disso, dentre as nações que mais se desenvolveram, aquelas que detêm maiores índices de natalidade gozam de melhores potencialidades de progresso. Por outras palavras, a população confirma-se como uma riqueza e não como um factor de pobreza.
4. Outro âmbito de preocupação são as pandemias, como por exemplo a malária, a tuberculose e a SIDA, pois, na medida em que atingem os sectores produtivos da população, influem enormemente no agravamento das condições gerais do país. As tentativas para travar as consequências destas doenças na população nem sempre alcançam resultados significativos. E sucede além disso que os países afectados por algumas dessas pandemias se vêem, ao querer enfrentá-las, sujeitos a chantagem por parte de quem condiciona a ajuda económica à actuação de políticas contrárias à vida. Sobretudo a SIDA, dramática causa de pobreza, é difícil combatê-la se não se enfrentarem as problemáticas morais associadas com a difusão do vírus. É preciso, antes de tudo, fomentar campanhas que eduquem, especialmente os jovens, para uma sexualidade plenamente respeitadora da dignidade da pessoa; iniciativas realizadas nesta linha já deram frutos significativos, fazendo diminuir a difusão da SIDA. Depois há que colocar à disposição também das populações pobres os remédios e os tratamentos necessários; isto supõe uma decidida promoção da pesquisa médica e das inovações terapêuticas e, quando for preciso, uma aplicação flexível das regras internacionais de protecção da propriedade intelectual, de modo que a todos fiquem garantidos os necessários tratamentos sanitários de base.
5. Terceiro âmbito, que é objecto de atenção nos programas de luta contra a pobreza e que mostra a sua intrínseca dimensão moral, é a pobreza das crianças. Quando a pobreza atinge uma família, as crianças são as suas vítimas mais vulneráveis: actualmente quase metade dos que vivem em pobreza absoluta é constituída por crianças. O facto de olhar a pobreza colocando-se da parte das crianças induz a reter como prioritários os objectivos que mais directamente lhes dizem respeito, como por exemplo os cuidados maternos, o serviço educativo, o acesso às vacinas, aos cuidados médicos e à água potável, a defesa do ambiente e sobretudo o empenho na defesa da família e da estabilidade das relações no seio da mesma. Quando a família se debilita, os danos recaem inevitavelmente sobre as crianças. Onde não é tutelada a dignidade da mulher e da mãe, a ressentir-se do facto são de novo principalmente os filhos.
6. Quarto âmbito que, do ponto de vista moral, merece particular atenção é a relação existente entre desarmamento e progresso. Gera preocupação o actual nível global de despesa militar. É que, como já tive ocasião de sublinhar, « os ingentes recursos materiais e humanos empregados para as despesas militares e para os armamentos, na realidade, são desviados dos projectos de desenvolvimento dos povos, especialmente dos mais pobres e necessitados de ajuda. E isto está contra o estipulado na própria Carta das Nações Unidas, que empenha a comunidade internacional, e cada um dos Estados em particular, a ‘‘promover o estabelecimento e a manutenção da paz e da segurança internacional com o mínimo dispêndio dos recursos humanos e económicos mundiais para os armamentos'' (art. 26) ».(6)
Uma tal conjuntura, longe de facilitar, obstaculiza seriamente a consecução dos grandes objectivos de desenvolvimento da comunidade internacional. Além disso, um excessivo aumento da despesa militar corre o risco de acelerar uma corrida aos armamentos que provoca faixas de subdesenvolvimento e desespero, transformando-se assim, paradoxalmente, em factor de instabilidade, tensão e conflito. Como sensatamente afirmou o meu venerado antecessor Paulo VI, « o desenvolvimento é o novo nome da paz ».(7) Por isso, os Estados são chamados a fazer uma séria reflexão sobre as razões mais profundas dos conflitos, frequentemente atiçados pela injustiça, e a tomar providências com uma corajosa autocrítica. Se se chegar a uma melhoria das relações, isso deverá consentir uma redução das despesas para armamentos. Os recursos poupados poderão ser destinados para projectos de desenvolvimento das pessoas e dos povos mais pobres e necessitados: o esforço despendido em tal direcção é um serviço à paz no seio da família humana.
7. Quinto âmbito na referida luta contra a pobreza material diz respeito à crise alimentar actual, que põe em perigo a satisfação das necessidades de base. Tal crise é caracterizada não tanto pela insuficiência de alimento, como sobretudo pela dificuldade de acesso ao mesmo e por fenómenos especulativos e, consequentemente, pela falta de um reajustamento de instituições políticas e económicas que seja capaz de fazer frente às necessidades e às emergências. A má nutrição pode também provocar graves danos psicofísicos nas populações, privando muitas pessoas das energias de que necessitam para sair, sem especiais ajudas, da sua situação de pobreza. E isto contribui para alargar a distância angular das desigualdades, provocando reacções que correm o risco de tornar-se violentas. Todos os dados sobre o andamento da pobreza relativa nos últimos decénios indicam um aumento do fosso entre ricos e pobres. Causas principais de tal fenómeno são, sem dúvida, por um lado a evolução tecnológica, cujos benefícios se concentram na faixa superior da distribuição do rendimento, e por outro a dinâmica dos preços dos produtos industriais, que crescem muito mais rapidamente do que os preços dos produtos agrícolas e das matérias primas na posse dos países mais pobres. Isto faz com que a maior parte da população dos países mais pobres sofra uma dupla marginalização, ou seja, em termos de rendimentos mais baixos e de preços mais altos.
Luta contra a pobreza e solidariedade global
8. Uma das estradas mestras para construir a paz é uma globalização que tenha em vista os interesses da grande família humana.(8) Mas, para guiar a globalização é preciso uma fortesolidariedade global (9) entre países ricos e países pobres, como também no âmbito interno de cada uma das nações, incluindo ricas. É necessário um « código ético comum »,(10) cujas normas não tenham apenas carácter convencional mas estejam radicadas na lei natural inscrita pelo Criador na consciência de todo o ser humano (cf. Rm 2, 14-15). Porventura não sente cada um de nós, no íntimo da consciência, o apelo a dar a própria contribuição para o bem comum e a paz social? A globalização elimina determinadas barreiras, mas isto não significa que não possa construir outras novas; aproxima os povos, mas a proximidade geográfica e temporal não cria, de per si, as condições para uma verdadeira comunhão e uma paz autêntica. A marginalização dos pobres da terra só pode encontrar válidos instrumentos de resgate na globalização, se cada homem se sentir pessoalmente atingido pelas injustiças existentes no mundo e pelas violações dos direitos humanos ligadas com elas. A Igreja, que é « sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o género humano »,(11) continuará a dar a sua contribuição para que sejam superadas as injustiças e incompreensões e se chegue a construir um mundo mais pacífico e solidário.
9. No campo do comércio internacional e das transacções financeiras, temos hoje em acção processos que permitem integrar positivamente as economias, contribuindo para o melhoramento das condições gerais; mas há também processos de sentido oposto, que dividem e marginalizam os povos, criando perigosas premissas para guerras e conflitos. Nos decénios posteriores à segunda guerra mundial, o comércio internacional de bens e serviços cresceu de forma extraordinariamente rápida, com um dinamismo sem precedentes na história. Grande parte do comércio mundial interessou os países de antiga industrialização, vindo significativamente juntar-se-lhes muitos países que sobressaíram tornando-se relevantes. Mas há outros países de rendimento baixo que estão ainda gravemente marginalizados dos fluxos comerciais. O seu crescimento ressentiu-se negativamente com a rápida descida verificada, nos últimos decénios, nos preços dos produtos primários, que constituem a quase totalidade das suas exportações. Nestes países, em grande parte africanos, a dependência das exportações de produtos primários continua a constituir um poderoso factor de risco. Quero reiterar aqui um apelo para que todos os países tenham as mesmas possibilidades de acesso ao mercado mundial, evitando exclusões e marginalizações.
10. Idêntica reflexão pode fazer-se a propósito do mercado financeiro, que toca um dos aspectos primários do fenómeno da globalização, devido ao progresso da electrónica e às políticas de liberalização dos fluxos de dinheiro entre os diversos países. A função objectivamente mais importante do mercado financeiro, que é a de sustentar a longo prazo a possibilidade de investimentos e consequentemente de desenvolvimento, aparece hoje muito frágil: sofre as consequências negativas de um sistema de transacções financeiras – a nível nacional e global – baseadas sobre uma lógica de brevíssimo prazo, que busca o incremento do valor das actividades financeiras e se concentra na gestão técnica das diversas formas de risco. A própria crise recente demonstra como a actividade financeira seja às vezes guiada por lógicas puramente auto-referenciais e desprovidas de consideração pelo bem comum a longo prazo. O nivelamento dos objectivos dos operadores financeiros globais para o brevíssimo prazo reduz a capacidade de o mercado financeiro realizar a sua função de ponte entre o presente e o futuro: apoio à criação de novas oportunidades de produção e de trabalho a longo prazo. Uma actividade financeira confinada no breve e brevíssimo prazo torna-se perigosa para todos, inclusivamente para quem consegue beneficiar dela durante as fases de euforia financeira.(12)
11. Segue-se de tudo isto que a luta contra a pobreza requer uma cooperação nos planos económico e jurídico que permita à comunidade internacional e especialmente aos países pobres individuarem e actuarem soluções coordenadas para enfrentar os referidos problemas através da realização de um quadro jurídico eficaz para a economia. Além disso, requer estímulos para se criarem instituições eficientes e participativas, bem como apoios para lutar contra a criminalidade e promover uma cultura da legalidade. Por outro lado, não se pode negar que, na origem de muitos falimentos na ajuda aos países pobres, estão as políticas vincadamente assistencialistas. Investir na formação das pessoas e desenvolver de forma integrada uma cultura específica da iniciativa parece ser actualmente o verdadeiro projecto a médio e longo prazo. Se as actividades económicas precisam de um contexto favorável para se desenvolver, isto não significa que a atenção se deva desinteressar dos problemas do rendimento. Embora se tenha oportunamente sublinhado que o aumento do rendimento pro capite não pode de forma alguma constituir o fim da acção político-económica, todavia não se deve esquecer que o mesmo representa um instrumento importante para se alcançar o objectivo da luta contra a fome e contra a pobreza absoluta. Deste ponto de vista, seja banida a ilusão de que uma política de pura redistribuição da riqueza existente possa resolver o problema de maneira definitiva. De facto, numa economia moderna, o valor da riqueza depende em medida determinante da capacidade de criar rendimento presente e futuro. Por isso, a criação de valor surge como um elo imprescindível, que se há- de ter em conta se se quer lutar contra a pobreza material de modo eficaz e duradouro.
12. Colocar os pobres em primeiro lugar implica, finalmente, que se reserve espaço adequado para uma correcta lógica económica por parte dos agentes do mercado internacional, umacorrecta lógica política por parte dos agentes institucionais e uma correcta lógica participativacapaz de valorizar a sociedade civil local e internacional. Hoje os próprios organismos internacionais reconhecem o valor e a vantagem das iniciativas económicas da sociedade civil ou das administrações locais para favorecer o resgate e a integração na sociedade daquelas faixas da população que muitas vezes estão abaixo do limiar de pobreza extrema mas, ao mesmo tempo, dificilmente se consegue fazer-lhes chegar as ajudas oficiais. A história do progresso económico do século XX ensina que boas políticas de desenvolvimento são confiadas à responsabilidade dos homens e à criação de positivas sinergias entre mercados, sociedade civil e Estados. Particularmente a sociedade civil assume um papel crucial em todo o processo de desenvolvimento, já que este é essencialmente um fenómeno cultural e a cultura nasce e se desenvolve nos diversos âmbitos da vida civil.(13)
13. Como observava o meu venerado antecessor João Paulo II, a globalização « apresenta-se com uma acentuada característica de ambivalência »,(14) pelo que há- de ser dirigida com clarividente sabedoria. Faz parte de tal sabedoria ter em conta primariamente as exigências dos pobres da terra, superando o escândalo da desproporção que se verifica entre os problemas da pobreza e as medidas predispostas pelos homens para os enfrentar. A desproporção é de ordem tanto cultural e política como espiritual e moral. De facto, tais medidas detêm-se frequentemente nas causas superficiais e instrumentais da pobreza, sem chegar às que se abrigam no coração humano, como a avidez e a estreiteza de horizontes. Os problemas do desenvolvimento, das ajudas e da cooperação internacional são às vezes enfrentados sem um verdadeiro envolvimento das pessoas, mas apenas como questões técnicas que se reduzem à preparação de estruturas, elaboração de acordos tarifários, atribuição de financiamentos anónimos. Inversamente, a luta contra a pobreza precisa de homens e mulheres que vivam profundamente a fraternidade e sejam capazes de acompanhar pessoas, famílias e comunidades por percursos de autêntico progresso humano.
Conclusão
14. Na Encíclica Centesimus annus, João Paulo II advertia para a necessidade de « abandonar a mentalidade que considera os pobres – pessoas e povos – como um fardo e como importunos maçadores, que pretendem consumir tudo o que os outros produziram ». « Os pobres – escrevia ele – pedem o direito de participar no usufruto dos bens materiais e de fazer render a sua capacidade de trabalho, criando assim um mundo mais justo e mais próspero para todos ».(15) No mundo global de hoje, resulta de forma cada vez mais evidente que só é possível construir a paz, se se assegurar a todos a possibilidade de um razoável crescimento: de facto, as consequências das distorções de sistemas injustos, mais cedo ou mais tarde, fazem-se sentir sobre todos. Deste modo, só a insensatez pode induzir a construir um palácio dourado, tendo porém ao seu redor o deserto e o degrado. Por si só, a globalização não consegue construir a paz; antes, em muitos casos, cria divisões e conflitos. A mesma põe a descoberto sobretudo uma urgência: a de ser orientada para um objectivo de profunda solidariedade que aponte para o bem de cada um e de todos. Neste sentido, a globalização há-de ser vista como uma ocasião propícia para realizar algo de importante na luta contra a pobreza e colocar à disposição da justiça e da paz recursos até agora impensáveis.
15. Desde sempre se interessou pelos pobres a doutrina social da Igreja. Nos tempos da Encíclica Rerum novarum, pobres eram sobretudo os operários da nova sociedade industrial; no magistério social de Pio XI, Pio XII, João XXIII, Paulo VI e João Paulo II, novas pobrezas foram vindo à luz à medida que o horizonte da questão social se alargava até assumir dimensões mundiais.(16) Este alargamento da questão social à globalidade não deve ser considerado apenas no sentido duma extensão quantitativa mas também dum aprofundamento qualitativo sobre o homem e as necessidades da família humana. Por isso a Igreja, ao mesmo tempo que segue com atenção os fenómenos actuais da globalização e a sua incidência sobre as pobrezas humanas, aponta os novos aspectos da questão social, não só em extensão mas também em profundidade, no que se refere à identidade do homem e à sua relação com Deus. São princípios de doutrina social que tendem a esclarecer os vínculos entre pobreza e globalização e a orientar a acção para a construção da paz. Dentre tais princípios, vale a pena recordar aqui, de modo particular, o « amor preferencial pelos pobres »,(17) à luz do primado da caridade testemunhado por toda a tradição cristã a partir dos primórdios da Igreja (cf. Act 4, 32-37; 1 Cor 16, 1; 2 Cor 8-9; Gal 2, 10).
« Cada um entregue-se à tarefa que lhe incumbe com a maior diligência possível » – escrevia em 1891 Leão XIII, acrescentando: « Quanto à Igreja, a sua acção não faltará em nenhum momento ».(18) Esta consciência acompanha hoje também a acção da Igreja em favor dos pobres, nos quais vê Cristo,(19) sentindo ressoar constantemente em seu coração o mandato do Príncipe da paz aos Apóstolos: « Vos date illis manducare – dai-lhes vós mesmos de comer » (Lc 9, 13). Fiel a este convite do seu Senhor, a Comunidade Cristã não deixará, pois, de assegurar o seu apoio à família humana inteira nos seus impulsos de solidariedade criativa, tendentes não só a partilhar o supérfluo, mas sobretudo a alterar « os estilos de vida, os modelos de produção e de consumo, as estruturas consolidadas de poder que hoje regem as sociedades ».(20) Assim, a cada discípulo de Cristo bem como a toda a pessoa de boa vontade, dirijo, no início de um novo ano, um caloroso convite a alargar o coração às necessidades dos pobres e a fazer tudo o que lhe for concretamente possível para ir em seu socorro. De facto, aparece como indiscutivelmente verdadeiro o axioma « combater a pobreza é construir a paz ».
Vaticano, 8 de Dezembro de 2008.
BENEDICTUS PP. XVI

11 de dezembro de 2008 (ZENIT.org)

---------------------------------------------------------


Homilia de Bento XVI na noite de Natal
“Sim, Senhor, fazei-nos ver algo do esplendor da vossa glória. E dai a paz à terra”

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 25 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).
Publicamos a homilia que Bento XVI pronunciou durante a Missa da noite de Natal, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.
* * *

«Quem se compara ao Senhor, nosso Deus, que tem o seu trono nas alturas e se inclina lá do alto a olhar os céus e a terra?» Assim canta Israel num dos seus Salmos (113/112,5s.), onde exalta simultaneamente a grandeza de Deus e sua benigna proximidade dos homens. Deus habita nas alturas, mas inclina-se para baixo… Deus é imensamente grande e está incomparavelmente acima de nós. Esta é a primeira experiência do homem. A distância parece infinita. O Criador do universo, Aquele que tudo guia, está muito longe de nós: assim parece ao início. Mas depois vem a experiência surpreendente: Aquele que não é comparável a ninguém, que «está sentado nas alturas», Ele olha para baixo. Inclina-se para baixo. Ele vê-nos a nós, e vê-me a mim. Este olhar de Deus para baixo é mais do que um olhar lá das alturas. O olhar de Deus é um agir. O fato de Ele me ver, me olhar, transforma-me a mim e o mundo ao meu redor. Por isso, logo a seguir diz o Salmo: «Levanta o pobre da miséria…». Com o seu olhar para baixo, Ele levanta-me, toma-me benignamente pela mão e ajuda-me, a mim próprio, a subir de baixo para as alturas. «Deus inclina-se». Esta é uma palavra profética; e, na noite de Belém, adquiriu um significado completamente novo. O inclinar-se de Deus assumiu um realismo inaudito, antes inimaginável. Ele inclina-se: desce, Ele mesmo, como criança na miséria do curral, símbolo de toda necessidade e estado de abandono dos homens. Deus desce realmente. Torna-se criança, colocando-se na condição de dependência total, própria de um ser humano recém-nascido. O Criador que tudo sustenta nas suas mãos, de quem todos nós dependemos, faz-se pequeno e necessitado do amor humano. Deus está no curral. No Antigo Testamento, o templo era considerado de certo modo como o estrado dos pés de Deus; a arca santa, como o lugar onde Ele estava misteriosamente presente no meio dos homens. Deste modo sabia-se que sobre o templo, escondida, estava a nuvem da glória de Deus. Agora, está sobre o curral. Deus está na nuvem da miséria de uma criança sem lugar na hospedaria. Que nuvem impenetrável e, no entanto, nuvem da glória! De fato, de que modo poderia aparecer maior e mais pura a sua predileção pelo homem, a sua solicitude por ele? A nuvem do encobrimento, da pobreza da criança totalmente necessitada do amor, é ao mesmo tempo a nuvem da glória. É que nada pode ser mais sublime e maior do que o amor que assim se inclina, desce, se torna dependente. A glória do verdadeiro Deus torna-se visível quando se abrem os nossos olhos do coração diante do curral de Belém.
A narração do Natal feita por são Lucas, que acabamos de ouvir no texto evangélico, conta-nos que Deus levantou um pouco o véu do seu encobrimento, primeiro diante de pessoas de condição muito humilde, diante de pessoas que habitualmente eram desprezadas na grande sociedade: diante dos pastores que, nos campos ao redor de Belém, guardavam os animais. Lucas diz-nos que estas pessoas «velavam». Nisto podemos ouvir ressoar um motivo central da mensagem de Jesus, na qual volta, repetidamente e com crescente urgência até ao Jardim das Oliveiras, o convite à vigilância, a permanecermos acordados para nos darmos conta da vinda do Senhor e estarmos preparados para ela. Por isso, também aqui a palavra talvez signifique algo mais do que o simples estar externamente acordado durante as horas noturnas. Eram pessoas verdadeiramente vigilantes, nas quais estava vivo o sentido de Deus e da sua proximidade; pessoas que estavam à espera de Deus e não se resignavam com o aparente afastamento dele na vida de cada dia. A um coração vigilante pode ser dirigida a mensagem da grande alegria: esta noite nasceu para vós o Salvador. Só o coração vigilante é capaz de crer na mensagem. Só o coração vigilante pode incutir a coragem de pôr-se a caminho para encontrar Deus nas condições de uma criança no curral. Peçamos ao Senhor que nos ajude, a nós também, a tornarmo-nos pessoas vigilantes.
São Lucas narra-nos ainda que os próprios pastores ficaram «envolvidos» pela glória de Deus, pela nuvem de luz, encontravam-se dentro do resplendor desta glória. Envolvidos pela nuvem santa, ouvem o cântico de louvor dos anjos: «Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens por Ele amados». E quem são estes homens por Ele amados senão os pequenos, os vigilantes, aqueles que estão à espera, esperam na bondade de Deus e procuram-no olhando para Ele de longe?
Nos Padres da Igreja, é possível encontrar um comentário surpreendente ao cântico com que os anjos saúdam o Redentor. Até àquele momento – dizem os Padres – os anjos tinham conhecido Deus na grandeza do universo, na lógica e na beleza do cosmos que provêm dele e o refletem. Tinham acolhido por assim dizer o cântico de louvor mudo da criação e tinham-no transformado em música do céu. Mas agora acontecera um fato novo, até mesmo assombroso para eles. Aquele de quem fala o universo, o próprio Deus que tudo sustenta e traz na sua mão, Ele mesmo entrara na história dos homens, tornara-se alguém que age e sofre na história. Do jubiloso assombro suscitado por este fato inconcebível, por esta segunda e nova maneira em que Deus se manifestara – dizem os Padres – nasceu um cântico novo, tendo o Evangelho de Natal conservado uma estrofe para nós: «Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens». Talvez se possa dizer, segundo a estrutura da poesia hebraica, que este versículo nas suas duas frases diz fundamentalmente a mesma coisa, mas duma perspectiva diversa. A glória de Deus está no alto dos céus, mas esta sublimidade de Deus encontra-se agora no curral, aquilo que era humilde tornou-se sublime. A sua glória está sobre a terra, é a glória da humildade e do amor. Mais ainda: a glória de Deus é a paz. Onde está Ele, lá está a paz. Ele está lá onde os homens não querem transformar, de modo autônomo, a terra em paraíso, servindo-se para tal fim da violência. Ele está com as pessoas de coração vigilante; com os humildes e com aqueles que correspondem à sua elevação, à elevação da humildade e do amor. A estes dá a sua paz, para que, por meio deles, a paz possa entar neste mundo.
O teólogo medieval Guilherme de S. Thierry disse um dia: Deus viu, a partir de Adão, que a sua grandeza suscitava no homem resistência; que o homem se sente limitado na sua realidade e ameaçado na sua liberdade. Portanto Deus escolheu um caminho novo. Tornou-se um menino. Tornou-se dependente e frágil, necessitado do nosso amor. Agora – diz-nos aquele Deus que se fez menino – já não podeis ter medo de mim, agora podeis apenas amar-me.
É com tais pensamentos que, esta noite, nos aproximamos do Menino de Belém, daquele Deus que por nós quis fazer-se criança. Em cada criança, há o reflexo do Menino de Belém. Cada criança pede o nosso amor. Pensemos, pois, nesta noite de modo particular também naquelas crianças às quais é recusado o amor dos pais; nos meninos de rua que não têm o dom de um lar doméstico; nas crianças que são brutalmente usadas como soldados e feitas instrumentos da violência, em vez de poderem ser portadoras da reconciliação e da paz; nas crianças que, através da indústria da pornografia e de todas as outras formas abomináveis de abuso, são feridas até ao fundo da sua alma. O Menino de Belém é um renovado apelo que nos é dirigido para fazermos tudo o que for possível a fim de que acabe a tribulação destas crianças; para fazermos tudo o que for possível a fim de que a luz de Belém toque os corações dos homens. Somente através da conversão dos corações, somente através de uma mudança no íntimo do homem se pode superar a causa de todo este mal, pode ser vencido o poder do maligno. Somente se mudarem os homens é que muda o mundo e, para os homens mudarem, precisam da luz que vem de Deus, daquela luz que de modo tão inesperado entrou na nossa noite.
E falando do Menino de Belém, pensemos também na localidade que responde ao nome de Belém; pensemos naquela terra onde Jesus viveu e que Ele amou profundamente. E peçamos para que lá se concretize a paz. Que cessem o ódio e a violência. Que desperte a compreensão recíproca, se realize uma abertura dos corações que abra as fronteiras. Que desça a paz que os anjos cantaram naquela noite.
No Salmo 96/95, Israel e, com ele, a Igreja louvam a grandeza de Deus que se manifesta na criação. Todas as criatura são chamadas a aderir a este cântico de louvor, encontrando-se lá também este convite: «Alegrem-se as árvores da floresta, diante do Senhor que vem» (12s.). A Igreja lê este salmo também como uma profecia e simultaneamente uma missão. A vinda de Deus a Belém foi silenciosa. Somente os pastores que velavam foram por uns momentos envolvidos no esplendor luminoso da sua chegada e puderam ouvir uma parte daquele cântico novo que brotara da maravilha e da alegria dos anjos pela vinda de Deus. Esta vinda silenciosa da glória de Deus continua através dos séculos. Onde há fé, onde a sua palavra é anunciada e escutada, Deus reúne os homens e se dá a eles no seu Corpo, transforma-os no seu Corpo. Ele «vem». E assim desperta o coração dos homens. O cântico novo dos anjos torna-se cântico dos homens que, ao longo de todos os séculos, de forma sempre nova cantam a vinda de Deus como Menino e, a partir do seu íntimo, tornam-se felizes. E as árvores da floresta vão até Ele e exultam. A árvore na Praça de São Pedro fala dele, quer transmitir o seu esplendor e dizer: sim, Ele veio e as árvores da floresta aclamam-no. As árvores de Natal nas cidades e nas casas deveriam ser algo mais do que um costume natalício: indicam Aquele que é a razão da nossa alegria – o próprio Deus que por nós se fez menino. O cântico de louvor, no mais fundo, fala enfim daquele que é a própria árvore da vida reencontrada. Pela fé nele, recebemos a vida. No sacramento da Eucaristia, Ele dá-se a nós: dá uma vida que chega até à eternidade. Nesta hora, juntamo-nos ao cântico de louvor da criação e o nosso louvor é ao mesmo tempo uma oração: sim, Senhor, fazei-nos ver algo do esplendor da vossa glória. E dai a paz à terra. Tornai-nos homens e mulheres da vossa paz. Amém.

[Tradução do original italiano distribuída pela Santa Sé
© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana]



Bento XVI recebe presidente Lula
15 de novembro de 2008



15 de novembro



Histórico acordo entre Santa Sé e Brasil

Baseado em uma «laicidade saudável»


Da Agência:

http://www.zenit.org

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 13 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- A Santa Sé e a República Federal do Brasil assinaram um acordo de amizade e colaboração nesta quinta-feira, no Palácio Apostólico Vaticano, segundo deu a conhecer a Sala de Imprensa Vaticana.

O acordo foi assinado, por parte da Santa Sé, pelo arcebispo Dominique Mamberti, secretário para as Relações com os Estados, e por parte do Brasil, por Celso Amorim, ministro de Assuntos Exteriores.

Assistiram ao ato numerosas personalidades, entre elas o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, e Dom Cláudio Hummes, prefeito da Congregação para o Clero, Dom Lorenzzo Baldisseri, n&uacu te;ncio apostólico no Brasil, o presidente da República Federal do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, o Ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, e a embaixadora do Brasil na Santa Sé, Vera Barroulin Machado.

O acordo, explica a nota vaticana, «consolida ulteriormente os tradicionais vínculos de amizade e de colaboração existentes entre ambas as partes»; está composto por um preâmbulo e 20 artigos que regulam vários âmbitos, entre eles «o estatuto jurídico da Igreja Católica no Brasil, o reconhecimento dos títulos de estudo, o ensino religioso nas escolas públicas, o matrimônio canônico e o regime fiscal». Entrará em vigor após o intercâmbio das ratificações.

No discurso de Dom Mamberti, o prelado recordou que «dois acontecimentos de particularíssima relevância marcam, nos dois últimos anos, a vida do Brasil e da Igreja Católica que vive nele».

Um deles foi a visita apostólica de Bento XVI por ocasião da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em Aparecida, em maio de 2007.

No momento de sua chegada, recordou, o pontífice afirmou que o Brasil «ocupa um lugar muito especial no coração do Papa, não só porque é cristão e tem o número mais elevado de católicos, mas principalmente porque é uma nação rica de potencialidades com uma presença eclesial que é motivo de alegria e esperança para toda a Igreja».

O olhar do Santo Padre, acrescentou Dom Mamberti, estendeu-se «desde o Brasil a toda a América Latina, um continente – afirma o documento conclusivo de Aparecida – que é em si mesmo um dom entregue benevo lamente por Deus, graças à beleza e fecundidade de suas terras e à riqueza de humanidade que emana de sua gente, das famílias, dos povos e das múltiplas culturas».

A segunda circunstância é precisamente a assinatura do acordo, «importante ato que se coloca no caminho desses vínculos de amizade e colaboração que subsistem há quase dois séculos entre as partes, e que hoje foram ulteriormente reforçados».

Se a constituição de 1824 imprimia ao império brasileiro um caráter «estritamente confessional», explicou o representante vaticano, as sucessivas cartas fundacionais modificaram este marco, até a vigente constituição de 1988, que assegura «por uma parte a laicidade saudável do estado e, por outra, garante o livre exercício das atividades da Igreja em todos os âmbitos de sua missão».

Como dizia o Concílio Vaticano II na Constituição Pastoral Gaudium et Spes, por outro lado, «a comunidade política e a Igreja são independentes e autônomas uma da outra em seus respectivos campos. Mas as duas, ainda que de diferente maneira, estão ao serviço da vocação pessoal e social dos próprios homens. Elas levarão a cabo este serviço pelo bem de todos, de forma tanto mais eficaz quanto mais cultivem uma saudável colaboração entre elas, segundo modalidades adaptadas às circunstâncias de tempo e lugar».

Através da assinatura deste acordo, observou Dom Mamberti, este marco «recebe hoje uma ulterior confirmação, de caráter jurídico e internacional».

Entre os principais elementos do texto, citou «o reconhecimento da personalidade jurídica das instituições previstas no ordenamento canônico, o ensino da religião católica nas escolas, como das demais confissões religiosas, o reconhecimento das sentenças eclesiásticas em matéria matrimonial, a inserção de espaços dedicados ao culto nos ordenamentos urbanos e o reconhecimento dos títulos acadêmicos eclesiásticos».

A propósito disso, o prelado constatou que «estaria fora de lugar falar de privilégios, porque não há nenhum privilégio no reconhecimento de uma realidade social de tão grande relevância histórica e atual como a Igreja Católica no Brasil, sem que isso tire nada do que se deve aos cidadãos de outra f&ea cute; e de distinta convicção ideológica».

Da mesma forma, recordou «com sentido de gratidão» o papel da Conferência Episcopal Brasileira na gênese do Acordo, sublinhando que foi precisamente o episcopado brasileiro quem sugeriu em 1991 a oportunidade de estipular um Acordo internacional entre a Igreja e o Estado, impulso que levou em 2006 ao começo oficial das negociações.

Neste contexto, Dom Mamberti augurou que o texto «possa o quanto antes entrar em vigor e contribuir, como está em suas finalidades, não só para consolidar os vínculos entre a Santa Sé e o Brasil e favorecer cada vez mais o desenvolvimento ordenado da missão da Igreja Católica, mas também para promover o progresso espiritual e material de todos os habitantes do país e colaborar, enquanto for possível, na solução dos grandes problemas que hoje preocupam a humanidade».





--------------------------------------------------------------------------------

Bento XVI recebe presidente Lula

Da Agência:
http://www.zenit.org


A visita culmina com um acordo histórico





CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 13 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- Bento XVI recebeu nesta quinta-feira em audiência o presidente da República Federal do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, junto a sua esposa e outros membros de seu séquito.

Segundo um comunicado emitido pela Santa Sé, o mandatário brasileiro se encontrou posteriormente com o secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone, e com o arcebispo Dominique Mamberti, secretário da Santa Sé para as Relações com os Estados, com quem manteve um «colóquio cordial».

Nestes encontros, segundo informa a Sala de Imprensa da Santa Sé, «trocaram opiniões sobre questões relacionadas com a atual conjuntura internacional e regional».

«Analisaram também alguns aspectos da situação no Brasil, em particular as políticas sociais encaminhadas a melhorar as condições de vida de tantas pessoas necessitadas e marginalizadas e a favorecer o papel fundamental da família na luta contra a violência e a degradação social.»

«Sublinhou-se a colaboração entre a Igreja e o Estado no contexto da promoção dos valores morais e do bem comum, não só no país, mas também de forma especial em favor da África.»

Lula recordou a grata visita do Papa ao Brasil em maio de 2007, por ocasião da V Assembléia Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em Aparecida.

Posteriormente, procedeu-se à assinatura do acordo bilateral que regulamentará as relações entre o Brasil e Santa Sé.

Em declarações à Rádio Vaticano, o núncio apostólico no Brasil, arcebispo Lorenzo Baldisseri, qualificou de histórica a visita do presidente Lula ao Vaticano, pois «é a primeira», e culminou com a assinatura de «um acordo esperado e desejado».

O acordo entre a Santa Sé e o Brasil, afirmou, «é necessário», pois responde principalmente à necessidade da Igreja de contar com uma «certeza jurídica».

Até agora, a Igreja Católica se regia por um estatuto derivado de um decreto de 7 de janeiro de 1890, «referido a todas as igrejas existentes naquela época, às quais o estatuto confere personalidade jurídica».

«Depois de 118 anos, depois de tanto tempo marcado por pedidos e o desejo da Igreja e da Conferência Episcop al de colocar por escrito múltiplos aspectos, podemos ter a certeza jurídica de que a Igreja Católica goza de liberdade de expressão», declara.

Graças ao acordo, os sacerdotes e todos os agentes pastorais poderão ter liberdade, segundo as leis do departamento e do estado, para poder entrar em instituições de saúde, penitenciárias, escolas «e em todos os demais lugares aos quais a Igreja pode levar sua mensagem espiritual».

No que se refere ao ensino da religião, o texto prevê «um ensino religioso católico e de outras confissões religiosas», ou seja, «pode-se garantir a toda a sociedade – independentemente da cultura e credo – um ensino religioso nas instituições públicas», «uma novidade» com a qual se abre «uma porta não só para os católicos, mas também para outras confissões».

Os bispos promoveram a introdução no acordo de um artigo no qual se estabelece um espaço para a Igreja «nas áreas de nova população, nos arredores das cidades, nas novas cidades que se estão construindo», onde «os planos de urbanização não prevêem um espaço para o serviço religioso».

O Brasil é o país com o maior número de católicos do mundo: de seus 196 milhões de habitantes, considera-se que os católicos são 73,6%, enquanto os seguidores de comunidades surgidas da Reforma protestante são 15,4%.



Da Agência ZENIT
top

Assine a "Revista Cidade Nova" para seus filhos!

De Georgr Carlin


"Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios,
dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos
muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e oramos raramente.
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.
Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente.
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho.
Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma ; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito;

escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.
Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares
despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral
descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um
momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa. Uma era que
leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou
simplesmente clicar 'delete'.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não
estarão por aqui para sempre. Lembre-se dar um abraço carinhoso num amigo,
pois não lhe custa um centavo sequer. Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua
companheira (o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, ame... Ame
muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. O segredo da
vida não é ter tudo que você quer, mas AMAR tudo que você tem!
Por isso, valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado."

Cada dia sempre um "Natal"


Enviando Jesus, Deus se dá totalmente para todos os homens... Que o nosso amor faça renascer em tantos do nosso convívio a chama de luz e amor que “Ele” trouxe para a felicidade plena da humanidade.
Com muita alegria desejamos a todos os paranaenses, com suas famílias, um Natal e Ano Novo!

Deaquino, Conceição, Maria Tereza e Natália.

Estava para tirar esta mensagem mas pensei e deixei...

Natal é todo dia:
Quando você se renega para aceitar o outro por amor!
Quando diante do outro você se faz vazio de suas próprias idéias, colocando todo o seu ser para o outro, “fazendo-se um com o outro”. Assim, Jesus renasce , vivo e potente, criador e transformador. E não é isto que o mundo espera? Se não, ser amado e feliz! Jesus vem e nasce através do seu e do nosso amor.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Meditação

Eucaristia e ressurreição
No Evangelho de João, Jesus afirma: "o pão que eu darei é a minha carne para a vida do mundo" ( Jo 6,51b). E ainda: "Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia" ( Jo 6,54). "... para a vida do mundo": a Eucaristia, portanto, serve já a partir deste mundo para dar a vida. Mas, o que é a vida? Jesus o disse: "Eu sou a vida" ( Jo 11,25;14,6). Esse pão nutre-nos d'Ele já desde esta vida. "E eu o ressuscitarei no último dia." A Eucaristia dá também a vida para o outro mundo. Mas, o que é a ressurreição? Jesus também o disse: "Eu sou a ressurreição" ( Jo 11,25). É Ele que dá início em nós à sua vida imortal, aquela que não é interrompida com a morte. Ainda que o corpo seja corruptível, a vida, Cristo, permanece tanto na alma como no corpo, como princípio de imortalidade. A ressurreição é um grande mistério para todos os homens que raciocinam com critérios humanos. Mas existe um modo de viver no qual o mistério se torna menos incompreensível. Ao vivermos o Evangelho visto pelo prisma da unidade, experimentamos, por exemplo, que, atuando o Mandamento Novo de Jesus, o amor recíproco leva a unidade fraterna entre os homens, que supera o próprio amor humano, natural.Ora, esse resultado, esta conquista é efeito da atuação da vontade de Deus. De fato, Jesus sabia que, se nós correspondêssemos aos seus imensos dons, já não seríamos "servos" ou "amigos" seus, mas "irmãos" seus e irmãos entre nós, porque nutridos da própria vida d'Ele. Para mostrar que esta família é de outra natureza, o evangelista João usa uma imagem muito sugestiva: a da videira e dos ramos (cf. Jo 15). A mesma seiva — poderíamos dizer o mesmo sangue —, a mesma vida, ou seja, o mesmo amor (que é o amor com o qual o Pai ama o Filho) é-nos comunicado (cf. Jo 17,23-26) e circula entre Jesus e nós. Tornamo-nos, assim, consangüíneos, concorpóreos com Cristo. E é, pois, no sentido mais verdadeiro e, sobrenaturalmente, mais profundo que Jesus, depois de sua ressurreição, chama os seus discípulos de "irmãos" (cf. Jo 20,17). Ora, uma vez construída essa família do Reino dos Céus, como poderíamos imaginar uma morte que possa interromper a obra de Deus, com todas as conseqüências dolorosas que isto comporta? Não, Deus não nos podia colocar diante de uma separação absurda. Ele devia dar-nos uma resposta. E no-la deu revelando-nos a verdade da ressurreição da carne. Ela, praticamente, não é mais, para quem crê, um mistério obscuro de fé, mas uma conseqüência lógica da vivência da vida cristã. Ela é portadora da imensa alegria de sabermos que nos encontraremos todos com aquele Jesus que nos uniu desse modo. Chiara Lubich Blog: CENTRETO - SÃO PAULO

O AGIR QUE SE ALARGA


“E preciso fazer com que as pessoas e grupos, engajados nas várias dimensões da vida humana, redescubram os valores profundos e eternos do homem, coloquem a fraternidade como base de suas vidas e só depois se mobilizem para a ação”. A conseqüência é a seguinte:

O AGIR SE ALARGA, PASSANDO DE UM AMOR INTERPESSOAL PARA UM AMOR MAIOR,AQUELE PELO 'PÓLIS', PELA CIDADE.

“È um amor que exige sacrifícios, esforços, fadiga. Pede para que todos se transformem de pessoas covardes e egoístas, preocupadas apenas com os próprios interesses e os próprios afazeres, em pequenos heróis da vida cotidiana, que no dia-a-dia estão a serviço dos irmãos, de todos, prontos até mesmo a dar a vida por eles”.Chiara Lubich

Algumas experiências


Tenho 16 anos e sou o filho mais novo, e recentemente meu pai teve que se aposentar. Porém, para continuar mantendo os rendimentos da família, resolveu assumir um outro emprego, dentro da área de seu conhecimento, porém tendo que viajar muito.
Assim, o convívio da família ficou muito restrito. Mesmo quando está em casa, ele tem que ficar muito tempo isolado, preparando as coisas para a próxima viagem.
Isso me deixou um pouco triste, pois tenho pouquíssimo tempo para conversar com ele. Por outro lado, me fez entender mais ainda que a vida tem suas dificuldades, e que toda a família sofre as conseqüências de algo que acontece com um de nós.
Entendi também que ele mesmo, que é muito apegado à família, sofre por ter que trabalhar tanto e tendo tão pouco tempo para ficar conosco.
Então, resolvi agir de modo a amenizar essa situação. Nas poucas oportunidades que me encontro com meu pai, procuro só falar de coisas boas, para deixá-lo feliz. Às vezes só há tempo para um sorriso e um abraço, mas sei que, mesmo assim, nosso relacionamento é até mais forte.

Dante (Brasília-DF)



Foto: Clarice Safari - SP


Sou viúva e moro sozinha. Apesar de ter garagem em minha casa, às vezes deixo o carro estacionado na rua, por vários motivos. Um dia, quando fui sair com o carro, percebi uma pequena batida. Fiquei chateada e uma pessoa que estava na rua me disse que foi a vizinha da frente. Disse ainda que ouviu ela dizer, sem mostrar preocupação alguma: “carro não é pra ficar na rua”. Aquelas palavras mostravam que não adiantaria conver-sar com ela. Tentei, então, perdoá-la, aceitando o fato como um desses infortúnios que não se pode evitar.
Algum tempo depois, eles compraram um carro novo e tiveram que deixar o outro na rua cotidianamente. Não demorou muito e o carro deles amanheceu com uma batida. Concertaram, mas pouco tempo depois, veio outra batida. Ficaram muito chateados.
Lembrando da Palavra de Vida “Faça aos outros o que gostaria que fizessem a você”, resolvi oferecer a eles uma vaga na minha garagem, que comporta dois carros. Eles ficaram muito surpresos, mas aceitaram.
É verdade que, às vezes, tenho que esperar o filho deles chegar tarde para guardar o carro, mas isso tudo criou entre nós um clima de fraternidade. Se eu me ocupo um pouco com os problemas deles, eles também se empenham em me ajudar em alguma coisa. Todos ganham com isso.
Raimunda (Brasília-DF)
Estas duas experiências são do Jornal da Comunidade de Brasília - DF.
Quando entrei no avião, para voltar das férias, eu quis cumprimentar a aeromoça, o comissário e alguns passageiros, porque isso faz bem a todos. Depois, quando fui sentar, uma pessoa precisava sentar em meu lugar. Então eu deixei porque isso também faz Jesus feliz.
Alexandre – 6 anos (Brasília)
Nestas férias, à luz da Palavra de Vida de janeiro que falava em “orar continuamente”, me dei conta de que estava considerando os momentos de oração e meditação como obrigação, como uma imposição a quem queira se aproximar de Deus. De fato, sempre considerei os momentos de oração como algo absolutamente necessário para mim. Porém, assim como é imprescindível o alimento para o corpo – e é mesmo obrigatório –, mas ao mesmo tempo é algo que recebo com satisfação, da mesma forma deveria desfrutar dos momentos de encontro com Deus – aliás, melhor ainda, com muita alegria e gratidão. E assim tenho procurado viver estes sublimes momentos a partir de então.

João Carlos (Um jovem de Brasília)

A liberdade "não significa tanto a possibilidade de escolher o bem e o mal, quanto de caminhar sempre mais em direção ao bem." Afirma Chiara Lubich aos jovens. E prossegue: “Tenho constatado que o bem liberta, o mal escraviza. Ora, para ter a liberdade é preciso amar. Pois aquilo que nos torna escravos é o nosso eu. Ao passo que pensando sempre no outro, ou na vontade de Deus quando cumprimos os próprios deveres, ou no próximo, não pensamos em nós e somos livres de nós mesmos."
****************************************************

«Na minha classe tem muitas meninas bacanas, mas também tem outras que chegam até a ler uma revistinha que não é muito legal. Elas sempre me convidavam para ler juntas e terminei cedendo, mesmo porque fiquei curiosa daquilo que comentavam. Comecei a ler e fiquei assustada. Naquelas páginas se incentivavam os adolescentes a manter rela-cionamentos sexuais o mais frequente possível. E tudo o que estava escrito sobre o homem e a mulher era banal e vulgar, nada a ver com a beleza com que Deus nos criou. Durante o intervalo, uma colega me perguntou se a partir de então eu também gostaria de ler essa revista. Imediatamente respondi que não, e que jamais faria isso e lhe perguntei porque ela lia coisas desse tipo. “Você é uma puritana – me respondeu ofendida – não tenho mais nada a ver com você!” Eu fiquei mal, sem saber o que dizer. Como é possível fazer a amizade depender da leitura de uma revista como aquela?
Uma reação de ódio me invadiu completamente, junto com a vontade de me vingar. Depois pensei: “Não, não vou me vingar e sim amá-la!” E assim fiz. Dias depois outra colega se aproximou e me disse que a minha atitude de não ler aquele tipo de revistas estava certa e que ela também queria experimentar fazer assim. Isso me deixou muito feliz».


......................................................................................


Experiência:

Com os santos foi isso que aconteceu. Mas nem sequer nós devemos desanimar. Também os cristãos comuns podem produzir fruto. Veja, por exemplo, esse fato:

Você sabe que boa parte do mundo estudantil hoje está politizado e deixa pouco espaço para aqueles que gostariam de ser úteis à humanidade partindo de outras inspirações.

Estamos em Portugal. Maria do Socorro entrou para a universidade, após terminar o ensino médio. O ambiente é difícil. Muitos de seus colegas lutam, conforme a própria ideologia, e cada um quer levar consigo os estudantes que ainda não se manifestam.

Maria sabe muito bem qual é o seu caminho, embora seja difícil explicá-lo: seguir Jesus e permanecer unida a ele. É tachada de pessoa amorfa e sem ideais pelos seus companheiros, que não conhecem nada de suas ideias. Algumas vezes ela sentiu respeito humano, sobretudo ao entrar na igreja. Mas não desanima, porque sente que deve permanecer unida a Jesus.


Aproxima-se o Natal. Maria percebe que alguns dos colegas não podem ir festejar em casa, pois moram muito longe, e então propõe aos outros companheiros a ideia de oferecerem juntos um presente àqueles que não vão viajar. Para sua grande surpresa, todos aceitam de imediato.

Algum tempo depois acontecem as eleições para representante do curso e, para sua grande surpresa, justamente ela é eleita. Mas a surpresa é ainda maior quando lhe dizem: “É lógico que você tenha sido eleita! Você é a única que tem uma linha bem definida, que sabe o que quer e o que fazer para realizá-lo”. Alguns de seus colegas se interessaram pelo seu ideal e agora querem viver da mesma forma.

Um bom fruto da perseverança de Maria do Socorro em permanecer unida a Jesus.

Chiara Lubich

“Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”. (Jo 13,1)



***************************************************************************
Episódio verdadeiro.


Aconteceu tempos atrás e, no entanto, parece de uma atualidade incrível. De fato, conheço inúmeros jovens que se comportam hoje com a mesma atitude da moça desta história.

Chamava-se Elvira. Cursava a Escola Normal. Era pobre, e só poderia prosseguir os estudos se conseguisse manter uma média alta. Possuía uma fé sólida. O seu professor de filosofia era ateu, de modo que não raramente apresentava as verdades sobre Cristo, sobre a Igreja, de maneira alterada, quando não deformada. O coração daquela jovem fervia de indignação. Não por ela, mas pelo seu amor a Deus, à Verdade e às suas companheiras. Embora consciente de que, contradizendo o professor, corria o risco de ter uma nota baixa, o que Elvira sentia dentro de si era mais forte do que ela mesma. Levantava a mão todas as vezes, pedindo a palavra: “Não é verdade, professor!”. Talvez nem sempre ela possuísse os argumentos para rebater os comentários do professor, mas naquelas palavras “não é verdade” estava toda a sua fé, que é dom da Verdade e, por isso mesmo, faz pensar.

As colegas, que gostavam dela, tentavam convencê-la a não se manifestar, para que ela não fosse prejudicada. Mas não conseguiam.

Passaram alguns meses. Chegou a hora da distribuição dos boletins com as notas. A jovem recebe o seu boletim apreensiva. Depois, teve um sobressalto de alegria. Dez! A nota máxima.

Elvira tinha procurado acima de tudo fazer com que Deus e a Sua Verdade reinassem, e o resto veio por acréscimo.


>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

“Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo.”

Se também você procurar o Reino do Pai, haverá de experimentar que Deus é Providência com relação a todas as necessidades da sua vida. E descobrirá a normal extraordinariedade do Evangelho.

Chiara Lubich



Experiências

O que você achou desta página?
Deixe o seu comentário em qualquer lugar dos comentários deste Blog. Ou escreva para:

Maria da Conceição Pinheiro Moreira


moreira.mcp@gmail.com

Estou aguardando seu e-mail. Obrigada!

Festa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro - Paraná - RN


Participe!
Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
Momentos de reflexão, adoração, devoção, louvor e troca de experiências... Oportunidade para pedir graças a MÃE DE DEUS, MÃE DO PERPÉTUO SOCORRO.

Toda terça-feira ás 19:00h



Campanha da Fraternidade 2011

Campanha da Fraternidade de 2011


O tema da Campanha da Fraternidade de 2011 é “Fraternidade e a Vida no Planeta” que será voltada para o meio ambiente; e o lema é “A Criação Geme Com Dores de Parto”. Dom Dimas Lara Barbosa, bispo auxiliar do arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro e secretário geral da CNBB, conta-nos que a Campanha da Fraternidade de 2011 reflete a questão ecológica, com foco, sobretudo, nas mudanças climáticas.



Marcadores

Deixe aqui o seu comentário

Você pode comentar qualquer página deste Blog.
É só entrar com seu email e senha do gmail no final de cada página do Blog.
No final de cada postagem você encontra o espaço para escrever seus comentários ou escreva:
Obrigada!